ficha_tecnica
Aumentar fonte Diminuir fonte

Música e Arte

ESCRAVOS DA MAUÁ

Slide 1
Slide 2
Slide 3
Slide 4
Slide 5
Slide 6
Slide 7
7 1 2 3 4 5 6

O amor pelo samba, pelo Carnaval de rua e pela Praça Mauá sempre uniu uma animada turma de amigos que trabalham na mesma empresa localizada na região e foi a grande motivação para fundarem, em 1992, o bloco carnavalesco Escravos da Mauá, que no ano seguinte fez seu primeiro desfile com cerca de 500 pessoas e hoje em dia arrasta multidões.

Os ensaios começaram a ser realizados fora do horário de expediente, numa sala na empresa. Em um esforço coletivo, montaram até barracas de cerveja para angariar fundos e contratar músicos profissionais para animar os encontros. Tudo sempre foi feito na coletividade: a bandeira do bloco, a camiseta — que é escolhida por votação e cujo concurso anual é aberto ao público — até as letras do samba-enredo. O grupo tem uma associação bem organizada, inclusive com estatuto, e, bem antes de fundar o bloco, já tinham desenhado todo um projeto para a revitalização da região.

Vários locais os receberam, como a Pedra do Sal e o bar da Dona Sônia, que acolhia o bloco com muito carinho, disponibilizando o banheiro, assando bolo para os músicos e custeando as camisetas. A fama foi crescendo e vinha gente da Zona Sul para curtir a animação dos ensaios, até que um dia o bar sofreu um incêndio. Passado o susto, as rodas de samba começaram a acontecer no Largo da Prainha, sempre animadas pelo Fabuloso Grupo Eu Canto Samba, liderado pela cantora Claudia Baldarelli, uma das fundadoras do Escravos. O grupo acabou por criar uma agenda anual com muito samba, culminando nos grandes dias de desfile, que acontecem na última quinta-feira antes do Carnaval e no dia 31 de janeiro. Nos ensaios, cada vez que é anunciada a Roda de Samba da Mauá com os “Fabulosos”, a praça vira uma festa, a multidão vibra e compartilha os momentos calorosos.

Da última vez que desfilou, o Escravos da Mauá atraiu 25 mil pessoas pelas ruas do bairro, cantando suas músicas que falam sobre a história da região. A bateria é comandada pelo Mestre Penha, que desde o início deu apoio treinando e montando a equipe de ritmistas oficiais do bloco, que cada vez mais tem contado com a participação das novas gerações, que dormiam no carro enquanto seus pais ensaiavam no bloco.

Rodas de samba eventualmente no Largo da Prainha
Desfile oficial na última 5ª feira antes do Carnaval
(agendar encontros por e-mail ou acompanhar programação no facebook)

Gratuito

Todas as idades

Carro, Metrô (Estação Uruguaiana), Ônibus

49 - E3

Informações:

Facebook: Escravos da Mauá
Youtube: Samba enredo de 2015
Site: http://www.escravosdamaua.com.br
E-mail: escravosdamaua@gmail.com